Religião & cotidiano

A vida religiosa no Brasil é intensa e traz elementos de diferentes culturas. Historicamente a presença da Igreja Católica como eixo estruturante da vida social, cultural, política e econômica da antiga colônia portuguesa não impediu que práticas religiosas de matriz africana e indígena penetrassem no imaginário e na vida das pessoas. O acervo dos museus do Ibram mostra essa diversidade e permite que entendamos mais sobre a formação cultural do Brasil.

OS OBJETOS RELIGIOSOS E DEVOCIONAIS

As religiões de todos os matizes têm objetos devocionais. São livros, estátuas, objetos litúrgicos, têxteis de diversas naturezas, vestimentas. Esses objetos expressam aspectos importantes da história das mentalidades no Brasil e podem ser melhor conhecidos nos museus do Ibram.

O Brasil é um estado laico, no qual é instaurada a liberdade religiosa. Mas nem sempre foi assim. Até a Constituição Republicana de 1891, Igreja católica e Estado estavam oficialmente conectados. No último censo realizado, 90% dos brasileiros declarou professar alguma religião. Não é à toa, portanto, que parte importante dos acervos dos museus brasileiros esteja conectado a esse tema.

384 ITENS

ESTA CURADORIA CONTA COM ITENS DE DIFERENTES MUSEUS

ORATÓRIOS E ALTARES DOMÉSTICOS

Com as mudanças dos hábitos culturais ao longo do século XIX, a vida íntima, no interior das casas, começou a ganhar mais atenção. Os oratórios surgem nesse contexto, de valorização da individualidade, em oposição ao hábito de rezar coletivamente em capelas. A ideia também era permitir uma relação mais próxima com a religião católica ou com o santo de sua devoção. Para isso, além dos oratórios instalados nas casas, geralmente nos quartos ou em áreas mais íntimas da residência, existiam também os oratórios itinerantes ou de viagem, que eram menores e construídos de forma a proteger a imagem devocional.

Os altares domésticos podiam conter diferentes elementos, como cruzes que simbolizavam o martírio de Cristo e santos. Um dos elementos característicos eram os cruzeiros. Normalmente localizados em espaços abertos, algumas vezes eram miniaturizados e trazidos para o âmbito devocional doméstico, como é o caso desse exemplar do Museu da Inconfidência.

Para saber mais sobre oratórios e altares domésticos, visite a exposição digital do Museu Regional de São João del Rei.

MISTURA DO BRASIL COM A ÁFRICA

As religiões de matriz afro-brasileira são originárias dos cultos religiosos dos povos africanos que vieram como escravos para o Brasil. As mais conhecidas são o candomblé e a umbanda, mas existem muitos outros formatos e rituais que se formaram em diferentes regiões e estados do Brasil e distintos momentos da história, como o Tambor de Mina, o Jarê, o Omolocô, o Xangô pernambucano, entre outras. Os museus do Ibram guardam uma série de objetos derivados dos cultos de matriz africana, como o xumbetá, espécie de colar tradicional da nação Banto. Outro objeto importante é a pedra-fetiche denominada otá, sobre a qual o axé (a “força sagrada”) de um orixá é fixado por meio de ritos, e se constitui como seu símbolo principal. Os otás são encontrados em todos os pejis, “altares sagrados” de cada Orixá.

Os instrumentos musicais são objetos da mais alta importância nos cultos afro-brasileiros, em especial do candomblé e da umbanda, nos quais a música acompanha o ritual. Os atabaques têm diferentes denominações conforme a região do Brasil, como ilú em Pernambuco e caxambu, no Rio de Janeiro.

As religiões de matriz africana, ao chegarem no Brasil, entraram em contato e absorveram elementos de religiões indígenas, católica e mesmo espírita. Essa “mistura” derivou em cultos de orixás “disfarçados” de santos católicos, como o culto a Ogum, orixá guerreiro dos iorubás, na figura de São Jorge ou de Oxum, orixá feminino da nação Ijexá, ligada às águas doces, e cultuada no Brasil na figura de Nossa Senhora. Muitos dos objetos afro-brasileiros presentes nos museus do Ibram vem de terreiros que praticavam o sincretismo, como o Sítio do Pai Adão no Recife (PE).

MÁSCARAS AFRICANAS EM DESTAQUE

As máscaras desempenham um papel importante na religiosidade de diferentes grupos culturais africanos. São usadas em rituais ou cerimônias com diversos fins, como garantir uma boa colheita, incorporar  presenças espirituais em rituais de iniciação ou cerimônias fúnebres e representar espíritos e animais totêmicos.

Figura de Poder – Nkisi nkondi

O CULTO CATÓLICO

Os objetos de culto da religião católica são fundamentais para o funcionamento das diferentes tradições dessa religião. Missas, rezas, novenas, procissões – para cada momento de culto uma série de objetos foi desenvolvida e aprimorada com o passar do tempo. Nos museus do Ibram é possível conhecer em detalhes esses objetos, como aqueles usados nas missas. Alguns deles são: o turíbulo ou incensório, utilizado para queimar incenso nas cerimônias católicas; a naveta, onde o incenso é transportado; o ostensório, objeto utilizado para expor a hóstia consagrada ou levá-la em procissão; o porta missal, onde o padre apoia o livro de missa romano, que contém as orações, entre outros objetos.

Naveta
Relicário
Turíbulo
Urna dos pré-santificados
Sacra
Cruz

OS SANTOS NOS ACERVOS

Os acervos de arte sacra são parte importante dos acervos dos museus no Brasil. Isso porque a Igreja Católica foi a principal financiadora de trabalhos artísticos ao longo do período colonial e republicano, para a decoração de seus edifícios. Conheça mais esse rico acervo, navegando nas coleções dos museus do Ibram.

Coleção

Museu da Inconfidência

Coleção

Museu de Arte Sacra da Boa Morte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *